A Parte mais Importante do Corpo

(Sei que maior parte não irá ler até ao fim, e dos que vão ler poucos vão comentar, mas também sei, que os que o lerem, um dia num determinado minuto este texto virá à memória)

Qual será a parte mais importante do corpo? Aqui está uma questão difícil. Assim, uma jovem mãe perguntou ao seu filho, um dia, exactamente isso.

O menino pensou um pouco e lembrou-se de como o som é importante para os seres humanos, permitindo a audição da voz humana e dos sons dos animais, do vento, da chuva, da música. Por isso, respondeu: “as minhas orelhas”, mãe.

“Não,  não acertaste. Muita gente é surda. Mas, não te preocupes. Continua a pensar sobre o assunto. Noutra altura voltarei a perguntar.”

Algum tempo se passou até que a mãe tornou a fazer a mesma pergunta. O miúdo, que desde a sua primeira tentativa de resposta, frustrada, pensara muito no assunto, respondeu logo: “mãe, a visão é muito importante para todos. É ela que nos permite vislumbrar a beleza das cores, o rosto dos nossos amores, as cenas dos filmes, do teatro. Então, a parte mais importante do corpo são os nossos olhos.”

“Estás a aprender rápido”, disse a mãe, “mas a resposta ainda não está certa. Pode-se viver sem a visão dos olhos. Pensa em quantos cegos existem pelo mundo.”

O menino não desistiu e continuou a procura da resposta, ao longo do tempo. De tempos a tempos a mãe fazia a mesma questão, e a cada resposta dele a mãe dizia: “não, não é essa a parte mais importante. Mas estás a ficar cada vez mais esperto de ano para ano meu filho”

O tempo passou e um dia, morreu o avô do menino. Todos ficaram tristes. Ele era muito amado. Todos choraram. O jovem viu o seu pai a chorar. Aquilo marcou-o  porque era a segunda vez, na sua vida, que via o pai chorar.

Então, a mãe olhou para ele, quando ele se aproximou do caixão para, de sua intimidade, dizer um até logo mais prolongado ao avô.

E ela perguntou: “filho, agora já sabes qual a parte do corpo mais importante?”

O rapaz ficou chocado. Aquele não era o momento próprio para fazer aquela pergunta. Mesmo porque, desde a infância, ele sempre levava tudo aquilo como um jogo entre ele e a mãe. Um jogo que ele pensava ganhar um dia, quando descobrisse a resposta certa.

Mas aquele momento era de muita dor para se pensar em jogos. Ainda confuso, ele ouviu a mãe ponderar: “esta pergunta é muito importante. Mostra como realmente viveste a vida. Para cada parte do corpo que respondeste no passado, eu disse que estavas errado, e disse porquê. Mas hoje é o dia em que precisas de aprender esta lição importante.”

Ela olhou para o filho do jeito que só uma mãe pode fazer. Haviam lágrimas nos seus olhos, quando falou: “meu querido, a parte do corpo mais importante é teu ombro.”

“Porque eles sustentam a minha cabeça?”

“Não, filho. É porque podes apoiar a cabeça de um amigo ou de quem precisar quando choram. Todos precisam de um ombro para chorar, nalgum momento da sua vida, meu querido.

Eu espero que tenhas bastante amor e amigos. E que tenhas sempre um ombro disponível para quem precisar chorar.”

Pense nisso!

As pessoas poderão esquecer do que dissemos, depois de algum tempo. Mesmo porque, quase sempre não nos habituamos a escutar com o coração e a memória trai-nos.

As pessoas poderão esquecer do que fizemos, com o passar dos anos. A memória da gratidão costuma enfraquecer com o decorrer do tempo.

Mas as pessoas nunca se esquecerão de como as fizemos sentir, da amizade que oferecemos, da emoção que proporcionámos, da solidão que preenchemos, do amor que semeamos.

(autor desconhecido)

Pense nisso!

O “ombro amigo” representa o trabalho, o serviço para o próximo; é a caridade com as outras pessoas, a nossa libertação do egoísmo e o convite ao trabalho mais importante: ajudar quem mais precisa.

Comentarios